Campeã no esporte e na vida: Marta Pinheiro supera batalha pessoal para correr no DBA

Marta Pinheiro 1° lugar geral feminino - Foto Guilherme Taboada 01
Quem vê o largo sorriso no rosto de Marta Pinheiro durante as etapas do Projeto De Braços Abertos, nem sequer pode imaginar o tamanho da batalha que a corredora trava todos os dias. Aos 46 anos, Marta busca, no esporte, algo a mais que o benefício para saúde. É por meio das corridas que ela consegue fortalecer-se para a dura rotina que a espera quando retorna para casa. A carioca, figurinha carimbada nas edições do evento, é
um exemplo para os que reclamam dos problemas da vida.

Marta mostra-se visivelmente contente com suas performances na corrida. Segundo ela, sua vida esportiva só faz sentido por conta de Miguel, de apenas quatro anos. “Eu corro, única e exclusivamente, pelo meu filho, que é especial – Miguel, de quatro anos, sofre da Síndrome de Coffin Siris e apresenta retardo e sofre com convulsões -. Sempre que entro em uma prova eu só penso nele. Essa é uma distração para mim também. Sempre que treino chego em casa “endorfinada” e ainda tenho tempo de brincar muito com ele. Atualmente, vivo em função dele, já que ele precisa tomar uma medicação muito específica e eu ainda não confio em deixá-lo com outras pessoas”, contou.

Acostumada com desafios mais pesados, ela fez questão de elogiar o novo trajeto e dizer que será presença certa nas próximas etapas do evento ao redor do Rio de Janeiro.

“Participo constantemente do Projeto, porque é ótimo correr e, ao mesmo tempo, estar integrada com essas pessoas da comunidade, que são maravilhosas. A minha preferência é sempre por provas desse estilo”

Engana-se também quem pensa que ela conta com uma estrutura de treinamentos sofisticada para conseguir bons resultados. Sem nenhum auxílio, Marta sai três vezes por semana às ruas de Olaria, bairro onde mora, para exercitar-se. Conhecida pela vizinhança, a corredora também aposta em exercícios funcionais para aumentar seu desempenho esportivo.

“Eu treino sozinha, já que não conto com auxílio de nenhuma assessoria esportiva. Faço meu treino três vezes por semana e corro pelas ruas do meu bairro. Todos lá já me conhecem como a corredora da região. Ultimamente, tenho intensificado as sessões de treinamento funcional para fortalecer a musculatura e estar com tudo em dia para quando for competir”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *